30 de abr de 2013

Estudo | Entendendo a Bíblia (continuação - Era da Conquista)


Depois do Êxodo, as circunstâncias também eram arriscadas para os israelitas. Eles tinha vagado pelo deserto durante quarenta anos por causa da rebelião e da descrença em Kadesh Barnea. Agora estavam em Jericó e o teste era o mesmo. Eles teriam a determinação para seguir em frente ou se encolheriam frente às circunstâncias, como tinham feito seus pais?
A tarefa de dirigir o povo caiu sobre os ombros de Josué. Moisés, o grande líder dos últimos quarenta anos, estava morto. O povo iria se sentir reanimado seguindo Josué? 

Há quatro eventos principais na Era da Conquista:
1. Jordão; 2. Jericó; 3. Conquista; 4. Domínio.

1. Jordão: a divisão milagrosa da água (Josué 1-5)
Moisés morre e Deus escolhe Josué para sucedê-lo. O primeiro desafio de Josué é cruzar o Rio Jordão durante uma cheia. Deus manda preparar a nação para a procissão cerimonial e começar a caminhar, sendo primeiro os sacerdotes, em direção ao Rio Jordão. Quando os sacerdotes tocaram a água, Deus a abriu para eles. (Essa é a segunda "separação milagrosa das águas" que Deus realizou por Israel. A primeira foi a divisão do Mar Vermelho). O povo respondeu e Deus separou o Rio Jordão por uma distância de uns quarenta quilômetros. Eles cruzam sem incidente e a água volta a correr normal.

2. Jericó: a conquista milagrosa da cidade (Josué 6)
A cidade de Jericó, um pequeno oásis no lado ocidental do Rio Jordão, perto do Mar Morto, não é só a entrada oriental para a Terra Prometida, mas também uma cidade fortificada que ameaça o bem-estar de Israel. Josué é um estrategista militar brilhante, tanto que suas campanhas na Bíblia ainda são estudadas no Colégio Militar nos dias de hoje. Enquanto observa a cidade, contemplando como conquistá-la, o anjo do Senhor aparece para ele e o instrui a marchar ao redor da cidade uma vez por dia, durante uma semana. No sétimo dia, ele deve marchar sete vezes e o povo deve gritar. A muralha da cidade vai cair. Eles fizeram isso e conseguiram... uma conquista milagrosa da cidade!

3. Conquista: a derrota de Canaã (Josué 7-12)
Os canaanitas estão unidos em seu ódio contra os israelitas, mas não na oposição militar a eles. Acima de tudo, a região é caracterizada por reis individuais, cada um com sua própria cidade e país. Josué corta no meio deles em direção ao Mar Mediterrâneo. Tendo dividido a terra, ele começa então a conquistá-la, do sul para o norte. Sete anos depois, a derrota inicial de Canaã é completada.

4. Domínio: finalizando o domínio (Josué 13-20)
Cada uma das doze tribos de Israel recebe uma terra por sorteio e é responsável por finalizar o domínio sobre aquela área. Todas as doze tribos habitam suas áreas e formam uma federação sem centralização com as outras tribos.

Fonte: Livro 30 Dias para Entender a Bíblia, Max Anders.

No próximo estudo, postarei a respeito da era dos Juízes– seus principais acontecimentos e linha histórica.

29 de abr de 2013

Objetos e práticas abomináveis (continuação - Idolatria)

Hoje, enquanto descia de uma estação de metrô, um senhor me chamou a atenção. Ele carregava uma imagem de Nossa Senhora no ombro esquerdo e parecia bastante cansado. Não pude deixar de sentir compaixão daquele homem! Imaginei que estivesse "pagando uma promessa", visto que carregava a imagem de modo pungente, sem sequer revesar de ombro.

Devo meu respeito às crenças, mas não posso deixar de trazer o Evangelho à tona. Jesus Cristo tem derramado Sua imensa graça, inclusive sobre a vida daqueles que atribuem os milagres vividos à "santos",  à meras imagens esculpidas; partes de uma crença sem essência bíblica e totalmente fora do contexto cristão genuíno. 

Acho lamentável, a graça exclusiva de Deus ser atribuída à ídolos! Deus vê a idolatria como um pecado tão grave, que chega a compará-la à prostituição em vários livros da Bíblia. E isso se deve ao fato de que fomos criados com o propósito de glorificar a Deus (e somente a Ele) em todas as coisas. Quando cremos/servimos/glorificamos um outro deus além do Único que é digno, é como se traíssemos o propósito de Deus em nós; pois preferimos dar glória a um mero ídolo que não nos criou, não é capaz de interceder por nós, sequer tem poder de nos trazer graças e milagres! 

Na postagem anterior sobre idolatria, comentei o fato de a essência religiosa do homem ter sido deturpada com o passar dos anos. Na Palavra de Deus, já no livro de Gênesis, vemos um só Deus, nosso criador, que posteriormente advertiu o povo de Israel diversas vezes a não idolatrarem deuses, imagens, nem aderirem aos costumes pagãos de outros povos; enquanto no Novo Testamento vemos Jesus como o único mediador entre nós e o Senhor: "Pois há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens; o Homem Jesus Cristo." Por aqui já é bastante claro entender que somente Jesus Cristo é nosso intercessor junto ao Pai (Deus). Tendo isto, descartam-se todas as crenças de que "santos" possuem este poder e esta função!

Se aquele que crê no poder destes ídolos pesasse a luz da Palavra em cima do tema, creio que repensaria sua crença nos mesmos; Lembre-se: não foi Buda que morreu por você na cruz! Não foi Maria, não foi o Santo Expedito, nem qualquer outro "santo"! Foi Jesus de Nazaré, o Filho de Deus! 

Jesus pagou um alto preço por nossas vidas, sentiu na pele excruciantes dores para que fôssemos salvos do pecado; nos trouxe à reconciliação com Deus e por isso temos a Vida Eterna! Glória a Deus!
Ele fez o que nenhuma imagem, nenhum outro deus é capaz de fazer! Aquela graça que você recebeu, jamais foi de Nossa Senhora, não foi de nenhuma outra entidade, de nenhum outro santo, mas foi de Deus! Porque Ele "é misericordioso e compassivo, paciente e transbordante de amor"! (Salmos 145:8). Deus não quer que nenhum de nós se perca, ao contrário, quer que tenhamos Vida Eterna nEle, glorificando somente a Ele, o único digno de honra, glória e louvor!

Na verdade, o ídolo é uma ilusão. Alguns ofendem-se com o termo "ídolo", visto que vêem imagens e outros deuses como dignos de sua fé e adoração! De repente "ídolo" parece um termo pesado, desconfortável, mas é a mais pura verdade! Toda crença que não seja em Deus, no Seu Filho Jesus e no Seu Espírito Santo, é efetivamente um ídolo, pois fere os mandamentos e desígnios de Deus! E sou categórica porque creio na Bíblia! 

Paulo é bastante claro quando escreve sua carta à igreja de Corinto: "Portanto, que estou querendo dizer? Será que o sacrifício oferecido a um ídolo é alguma coisa? Ou o ídolo é alguma coisa? Não! Quero dizer que o que os pagãos sacrificam é oferecido aos demônios e não a Deus, e não quero que vocês tenham comunhão com os demônios. Vocês não podem beber do cálice do Senhor e do cálice dos demônios; não podem participar da mesa do Senhor e da mesa dos demônios. Porventura provocaremos o ciúme do Senhor? Somos mais fortes do que ele? (1Coríntios 10:19-22). Lembre-se: um ídolo nada é. Mas quando serve-se e oferece-se sacrifícios a um ídolo, a Bíblia diz que está sendo oferecido a um demônio!

A Bíblia diz que nosso Deus é um Deus ciumento; quer que todo nosso amor e fé sejam ao Nome dEle! Que assim seja na minha e na Sua vida sempre, em Nome de Jesus!
Faça uma busca por imagens, livros, CD'S, DVD'S, quadros e outros objetos de origem duvidosa em sua casa! Deus quer morar no Seu lar e para isso você precisa recebê-lo do modo que lhE apraz! 

Que Deus te abençoe e abra o entendimento de todos!

25 de abr de 2013

Objetos e práticas abomináveis.

"Certamente abandonaste o teu povo, os descendentes de Jacó, porque eles se encheram de superstições dos povos do leste, praticam adivinhações como os filisteus e fazem acordos com pagãos. Sua terra está cheia de prata e ouro; seus tesouros são incontáveis. Sua terra está cheia de cavalos; seus carros não têm fim. Sua terra está cheia de ídolos. Eles se inclinam diante da obra das suas mãos, diante do que os seus dedos fizeram." (Isaías 2:6-8). 

"Naquele dia o Senhor arrancará os enfeites delas: as pulseiras, as testeiras e os colares; os pendentes, os braceletes e os véus, os enfeites de cabeça, as correntinhas de tornozelo, os cintos, os talismãs e os amuletos..." (Isaías 3:18-20).

No capítulo 2 de Isaías, percebemos o povo de Judá adotando práticas malditas de outros povos, a idolatria predominante, o apego ao dinheiro, além de alianças pagãs estabelecidas. Já o capítulo 3 trata não apenas da rejeição de Deus à vaidade e a soberba das filhas de Sião, mas também quanto aos talismãs e amuletos que usavam (verso 20).

Deus abomina toda e qualquer forma de idolatria. No início de tudo, quando Deus entregou a terra de Canaã aos israelitas, estes já haviam sido advertidos seriamente a não adorarem os deuses daquele povo, não fazerem alianças com estes, nem imitarem suas práticas detestáveis; e então obedecendo a Deus, seriam abençoados. (Ex 23:30; 34:12-17).

O fato é que o povo de Israel, separado por Deus para ser santo, puro e obediente, feriu as advertências que tanto lhes foram frisadas, e posteriormente vemos inclusive o povo de Israel dando-se em casamento a estes povos pagãos, imitando sua conduta reprovável aderindo à idolatria, ao ocultismo, e fazendo do projeto santo de Deus, algo inteiramente depravado. 
A história dos reis de Israel (salvo poucas exceções), é marcada por líderes idólatras e corrompidos, e consequentemente uma nação decaída e pecadora.

Conforme o capítulo 3 de Isaías, as mulheres de Sião aderiam ao uso de talismãs e amuletos. O dicionário Priberam define talismã como: figura, medalha ou peça a que se atribuem virtudes sobrenaturais; enquanto o dicionário Aurélio define amuleto como: objeto que alguém leva consigo por superstição, para se preservar de perigos, doenças, etc. 

Em Ezequiel também podemos constatar a ira de Deus sobre mulheres feiticeiras que usavam berloques nos pulsos como amuletos e véus enfeitiçados para enlaçar o povo (Ez 13:18). 

Deus não permite que façamos uso de amuletos e ídolos (imagens, "santos", rosários, pé de coelho, cruz, etc). O Único capaz de proteger-nos de qualquer perigo, enfermidade e que possui poder de nos ajudar em situações adversas é Deus e mais ninguém! 

Fico penalizada, inclusive, com a idolatria na vida de cristãos, mesmo dentro das igrejas! Objetos que não passam de ídolos, sendo usados por cristãos para receberem curas e graças! Aquele que ler a Palavra de Deus e discerni-la através do Espírito de Deus, entenderá que isso é detestável ao Senhor, afinal Jesus já levou sobre si nossas enfermidades e dores (Is 53:4), o véu já foi rasgado, nós temos livre acesso à Deus em oração, e o que Ele espera de nós é nossa súplica, não a superstição de que um amuleto, um mero ídolo tem poder para curar-nos de enfermidades e de nos promover prosperidade!

Não entendo porque o homem insiste em confiar poder sobrenatural à algo feito pelo próprio homem, no qual  Deus já nos advertiu que não podem falar, nem ver, nem ouvir! 

Penso no rumo que o mundo tomou! A essência religiosa do homem não possui ídolos, nem amuletos, nem práticas hereges como espiritismo, horóscopo, magia, entre outros. Deus é o nosso criador e Ele nos fez para a Sua glória; tudo é para Ele! (Rm 11:36).

Peço que você ore para que o Espírito Santo lhe mostre se em sua casa há algum ídolo ou amuleto, livros, quadros, imagens ou qualquer outra coisa abominável ao Senhor! Lembre-se de que mantendo isso em sua casa, você não apenas está desagradando a Deus, como também está dando legalidade ao inimigo e este pode lançar inúmeros males sobre sua vida e família. A Bíblia é bastante clara quando diz que o ídolo na verdade nada é em si, porque não existe, mas quando se é oferecido um sacrifício a este (e mesmo uma crença, uma devoção), na verdade está sendo oferecido a um demônio e não ao ídolo em si (1Co 10:19-20). 

Este é um assunto bastante extenso. Há muitas formas de idolatria, infelizmente, e há outras práticas malditas no qual quero mencionar neste estudo. Farei ainda uma ou mais postagens dando continuidade ao assunto, e minha oração é que o Senhor venha nos mostrar tudo o que lhe desagrada em nossas casas, crenças e possíveis práticas! Que em Nome de Jesus nosso amor, devoção e fé seja no Único digno de receber toda honra, glória e louvor, nosso Senhor Jesus Cristo!

23 de abr de 2013

Estudo | Entendendo a Bíblia (continuação - Era do Êxodo)


Há quatro grandes eventos na Era do Êxodo:
1. Libertação; 2. A Lei; 3. Kadesh Barnea; 4. Quarenta anos vagando.

1. Libertação: liberdade da escravidão no Egito (Êxodo 1-18)
Os hebreus sofreram sob a escravidão no Egito durante quatrocentos anos antes de pedir a libertação a Deus. Este coloca Moisés como seu porta-voz perante o Faraó, o soberano do Egito, pedindo a libertação espiritual do povo hebreu. O faraó se recusa, e uma série de dez pragas é mandada sobre o Egito para convencer o faraó a deixar o povo partir. As pragas começam mal e terminam ainda pior – de sapos a mosquitos, passando por água que se transforma em sangue e chegando à morte dos primogênitos em todos os lares do Egito. Finalmente, o faraó consente em deixar os hebreus saírem do Egito. Depois que eles partem, muda de ideia e tenta recapturá-los. Então, longe, já no Mar Vermelho, Deus abre as águas permitindo que o povo hebreu cruzasse para o outro lado. As águas voltam a se juntar, protegendo-os do exército egípcio e liberando-os da escravidão no Egito. Deus, claro, só tem um destino para eles: a Terra Prometida de Canaã... a terra "onde jorra leite e mel". A terra na qual o pai deles, Abraão, tinha se estabelecido antes e que agora seria novamente o lar do povo.

2. A Lei: os mandamentos de Deus no Monte Sinai (Êxodo 19-40)
O povo hebreu agora começa a construir uma identidade nacional como Israel. Do Mar Vermelho, os israelitas viajam para o sul, para a base da Península do Sinai, e ali acampam. Eles recebem os mandamentos de Deus no Monte Sinai. Moisés recebe os Dez Mandamentos escritos em tabuletas de pedra pelo dedo de Deus. Moisés também recebe uma revelação completa da Lei que vai governar a vida nacional de Israel, bem como suas relações com Deus. Este promete abençoar a nação abundantemente pela obediência e amaldiçoá-la se desobedecerem.

3. Kadesh Barnea: lugar de rebelião contra Deus (Números 10-14)
Israel deixa o Monte Sinai e migra para o norte até um oásis, Kadesh Barnea, que se localiza na entrada sul da Terra Prometida. Desse ponto privilegiado, doze espiões são enviados até a Terra Prometida, um espião de cada uma das doze tribos de Israel. A terra está habitada pelos canaanitas, que não aceitariam bem a horda de israelitas voltando para a terra. Quando os espiões retornam, eles têm algumas notícias boas e outras más. A boa notícia é que a terra é linda e generosa, "jorrando leite e mel". A má notícia é que há gigantes e exércitos hostis por toda a terra. Dez espiões informam que a terra é indomável (apesar de Deus ter-lhes prometido dar-lhes a vitória sobre qualquer força opositora). Dois espiões, Josué e Calebe, exortam o povo a acreditar em Deus e entrarem na terra. O povo acredita no informe da maioria e se recusa a seguir Moisés até a terra. Assim, ela se torna conhecida como um lugar de rebelião contra Deus.

4. Quarenta anos vagando: consequências da rebelião contra Deus (Números 20-36)
Como uma consequência de se rebelar contra Deus em Kadesh Barnea, a geração do "Êxodo" está condenada a vagar no deserto até que todos que tinham 21 anos ou mais na época, morram. Nos seguintes quarenta anos, uma nova geração cresce para liderar; está disposta a seguir os líderes e entrar na terra. Moisés leva-os até o norte do Mar Morto perto de Jericó, a entrada leste da Terra Prometida. Moisés encoraja o povo, da-lhes instruções adicionais encontradas no Livro de Deuteronômio e depois morre.

Fonte: Livro 30 Dias para Entender a Bíblia, Max Anders.

No próximo estudo, postarei a respeito da era da Conquista, – seus principais acontecimentos e linha histórica.

17 de abr de 2013

Amando a Deus, como seus grandes servos.

Lendo a Bíblia, fico impressionada com a unção derramada sobre alguns servos de Deus! Elias, Pedro, Paulo, Davi; entre tantos outros. Tendo isto, há alguns dias atrás pensei: "Essa unção e todos os milagres produzidos através deles, não provinham apenas da graça de Deus; havia intimidade com Deus na vida de cada um desses homens." Mas se foram usados abundantemente por Deus, e isto não vem apenas de um chamado Divino, nem apenas da graça de Deus; de que modo podemos observar esta intimidade; afinal, quais características espirituais tinham estes homens de Deus?

Elias, por exemplo, mostrava-se um servo zeloso: "Tenho sido muito zeloso pelo Senhor, Deus dos Exércitos. Os israelitas rejeitaram a tua aliança, quebraram os teus altares, e mataram teus profetas à espada..." (1Rs 19:14). Elias não se conformava com a idolatria predominante em Israel; até que, ousadamente, Elias desafiou os profetas de Baal no Monte Carmelo e os derrotou (1Rs 18:22-40).
Abraão também é um grande exemplo à ser seguido: A Bíblia diz que "pela fé, Abraão, quando Deus o pôs à prova, ofereceu Isaque como sacrifício. Aquele que havia recebido as promessas estava a ponto de sacrificar o seu único filho, embora Deus lhe tivesse dito: "Por meio de Isaque a sua descendência será considerada." Abraão levou em conta que Deus pode ressuscitar os mortos; e figuradamente, recebeu Isaque de volta dentre os mortos" (Hb 11:17-19). Em Gênesis, a Bíblia diz ainda que quando Isaque perguntou ao pai onde estaria o cordeiro para o holocausto, Abraão disse que Deus mesmo haveria de prover o cordeiro (Gn 22:7-8). Percebe-se uma grande fé na vida de Abraão; tamanha fé, que a vida deste profeta é demonstrada em Hebreus 11: "Pela fé Abraão, sendo chamado, obedeceu, indo para um lugar que havia de receber por herança; e saiu, sem saber para onde ia. Pela fé habitou na terra da promessa, como em terra alheia, morando em cabanas com Isaque e Jacó, herdeiros com ele da mesma promessa (Hb 11:8-9).
E o que falar de Pedro, que após haver negado o próprio Cristo, dá início a um ministério de grande peso ao Reino de Deus? Para mim, uma das passagens mais impressionantes de Atos, é onde a Bíblia diz que "o povo também levava os doentes às ruas e os colocava em camas e macas, para que pelo menos a sombra de Pedro se projetasse sobre alguns, enquanto ele passava (At 5:15). Isso sem entrar em detalhes de tantos outros milagres e conversões a partir da vida do apóstolo! O sermão de Pedro que somou cerca de três mil pessoas que aceitaram Jesus e foram batizados (At 2:41); a cura de um mendigo aleijado (At 3:6); o discernimento Divino de Pedro ao dizer à Ananias que Satanás o havia enchido o coração por guardar para si uma parte do dinheiro de sua propriedade (At 5:3), entre tantos outros milagres e disciplinas espirituais que podemos observar na vida do apóstolo!
Paulo também é um exemplo à seguirmos! Passou por provas tão duras, experimentou condições de vida tão difíceis, e em Filipenses está escrito que Paulo aprendeu a adaptar-se em toda e qualquer circunstância (Fl 4:11); "Sei o que é passar necessidade, e sei o que é ter fartura. Aprendi o segredo de viver contente em toda e qualquer situação, seja bem alimentado, seja com fome, tendo muito, ou passando necessidade (Fl 4:12). Em seguida, Paulo diz: "Tudo posso naquele que me fortalece" (Fl 4:13). Paulo sabia exatamente o que era ter um coração dependente de Deus e o que era confiar em Deus e ser agradecido independente de sua condição. Suas humilhações por causa do Nome de Cristo, levaram Paulo a contentar-se com o que tinha, e ainda, mais do que isso: a experimentar a humildade esperada pelo Senhor!
Paulo era ousado, destemido, de uma intrepidez santa! Orava e entoava louvores com os pés presos à um tronco, após ter recebido duros açoites (At 16:22-24); foi apedrejado e tido como morto, mas no dia seguinte partiu para Derbe onde fizeram muitos discípulos (At 14:19-21), indignou-se profundamente com a idolatria em Atenas (At 17:16), entre tantos outros bons exemplos descritos na Bíblia.
Davi, um homem segundo o coração de Deus; inspirado ao escrever belíssimos salmos que tratam de seu relacionamento com Deus, sua fé, seus temores, suas vitórias sobre o inimigo. Um coração puro em amor pelo Senhor. Um homem de oração, de súplicas, de jejuns. Vemos na vida de Davi, muita intimidade com Deus. Muitas orações, muita intimidade. Davi era rei e sabia da importância que havia em buscar a Deus para sua vida e consequentemente para o seu povo.

Certamente, há muito o que aplicar às nossas vidas, através destes grandes homens de Deus! Isso sem citar Moisés, Samuel, Jeremias, Rute, entre tantos outros bons exemplos!

Consigo perceber a constante presença da fé, que tornava possível a cura de enfermos, a expulsão de demônios, a confiança na Palavra proferida pelo Senhor, como no caso de Abraão. Percebo a ousadia santa, impulsionada pelo prazer em acrescentar vidas ao Reino, o zelo fervoroso que desprezava a idolatria, advertia invasivamente os idólatras, os pecadores, os perdidos desse mundo! Sem falar do amor! O amor a Deus que produzia toda a espécie de diligência, confiança, autoridade, ajuda, comunhão! A essência de todos os frutos gerados, dos milagres concedidos, de todo o discipulado dos apóstolos, das maravilhas que eram experimentadas; tudo provinha do amor de Deus pelas almas, do amor desses servos à Deus e depois às almas; tudo provinha do maior e mais relevante: o amor.

Busque esse amor. Resgate a essência, viva o amor de Deus! Você precisa; as almas precisam; Deus espera mais de nossos corações!
Na vida desses homens de Deus, por exemplo, havia a fé que curava, operava incontáveis maravilhas, havia a esperança de cumprir o chamado, levar vidas à Cristo, de aguardar a eternidade junto de Deus; mas lembre-se do que a Bíblia diz: que "o maior destes é o amor" (1Co 13:13).

Lembre-se também: foi o amor de Deus, e de nosso Senhor Jesus Cristo por nós, que permitiu-nos o privilégio da salvação! Pense por um minuto, o que seria de nós sem o amor de Deus?

Que o Senhor nos ajude a mantermos nossos olhos fitos nEle; todos os dias! E assim prossigamos em fé, em esperança, em santa ousadia, em obediência, e principalmente, em amor. Aumenta nosso amor, Senhor! Torna-nos amorosos e longânimos como Tu és! Oro em Nome de Jesus, Amém!

15 de abr de 2013

Estudo | Entendendo a Bíblia (continuação - Era dos Patriarcas)


Há quatro grandes homens na Era dos Patriarcas:
1. Abraão; 2. Isaque; 3. Jacó; 4. José.

1. Abraão: pai do povo hebreu (Gênesis 12-23)
Por causa do pecado e da Queda do homem, a atenção de Deus agora está focada em um plano de redenção para a humanidade. Deus quer uma pessoa por intermédio da qual ele possa trabalhar para produzir um reflexo de si mesmo, e pela qual ele possa espalhar a mensagem da redenção ao mundo. Ele escolhe Abraão, que se torna o pai do povo hebreu, e promete um país (terra), incontáveis descendentes (semente) e um impacto mundial e atemporal (bênção). Abraão está vivendo em Ur, perto da convergência do Tigres com o Eufrates, na época. Deus o leva à terra de Canaã, onde Abraão se estabelece e tem dois filhos, Ismael e Isaque.

2. Isaque: segundo pai da promessa (Gênesis 24-26)
Isaque se torna o segundo pai da promessa quando a realização das promessas de Abraão passa para ele. Isaque testemunha  vários grandes milagres durante sua vida. Vive na terra de Abraão, torna-se próspero e morre velho depois de ter tido dois filhos: Esaú e Jacó.

3. Jacó: pai da nação de Israel (Gênesis 27-35)
As promessas dadas a Abraão são passadas por Isaque para Jacó, seu filho mais jovem. Jacó começa a vida como um canalha conivente. No entanto, após uma série de milagres e outros encontros com Deus, ele se emenda. Jacó tem doze filhos, e as promessas de Abraão são passadas a todos eles como família. Enquanto Abraão é o pai do povo hebreu, Jacó é o pai da nação de Israel, e de seus doze filhos emergem as doze tribos da nação de Israel.

 4. José líder no Egito (Gênesis 37-50)
Os filhos de Jacó, na maior parte, possuem pouco compromisso com o chamado de Deus para formar uma nação. Eles vendem seu irmão José como escravo e este é levado ao Egito. Por causa da retidão de José ele se torna um grande líder no Egito. Durante uma severa fome, sua família vai ao Egito atrás de comida, se reúne com José e, como resultado, desfruta de paz e conforto. Depois que José morre, no entanto, seu povo é escravizado pelos próximos quatrocentos anos. Esse tempo de julgamento aumenta a fome espiritual do povo hebreu e eles clamam a Deus por libertação.

Fonte: Livro 30 Dias para Entender a Bíblia, Max Anders.

No próximo estudo, postarei a respeito da Era do Êxodo, – seus principais acontecimentos e linha histórica.

Bom estudo e que Deus os abençoe!

10 de abr de 2013

Sobre o casamento e o homossexualismo.


Fonte imagem: casamenteiras

Tenho visto grande polêmica nos últimos dias a respeito do casamento gay no Brasil. Em especial, por causa de alguns comentários do deputado Marcos Feliciano, no qual lhe gerou títulos como "homofóbico" e "preconceituoso". Já que o assunto foi tão repercutido, quero deixar a visão bíblica a respeito do casamento; afinal, nos cabe viver à luz da Palavra, segundo os padrões de Deus e não do mundo.

Acho lamentável os escândalos que envolvem evangélicos, como temos visto repetidamente. Não me refiro apenas aos comentários do então pastor, mas à vários cristãos, de modo geral. Minha opinião é que devemos defender o Evangelho no qual cremos e praticamos, mas não podemos esquecer que o mundo tem os olhos fitos em nós; constantemente estamos sendo observados. Outro ponto a este respeito, é que quando se trata de vidas, precisamos ser muito diligentes. Talvez aquela vida que foi tratada à insultos, foi uma oportunidade perdida de ter sido acrescida ao Reino de Deus! Por esse motivo, defendo o que Deus institui ao homem como casamento, como família; mas diante disso, devo meu amor às almas. 
A Bíblia nos exorta à amarmos fraternalmente, à sermos caridosos, piedosos, à carregarmos a dor do próximo. Isso é algo que me leva à pensar: Será que estou sendo luz do mundo, se apenas aponto o dedo acusador, mas não tenho efetivamente levado a luz da Palavra, me oferecido a acolher aquela vida, me dispondo à levá-la à Cristo? 

Falar sobre o casamento, é falar sobre algo puro. Imaculado. Criado por Deus conforme Seus perfeitos desígnios.

"Então o Senhor Deus fez o homem cair em profundo sono e, enquanto este dormia, tirou-lhe uma das costelas, fechando o lugar com carne. Com a costela que havia tirado do homem, o Senhor Deus fez uma mulher e a levou até ele. Disse então o homem: "Esta sim, é osso dos meu ossos e carne da minha carne! Ela será chamada mulher, porque do homem foi tirada. Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e eles se tornarão uma só carne." (Gênesis 2:21-24).

Antes disso, a Bíblia diz que Adão estava no jardim para cultivá-lo, e Deus o trouxe todos os animais para que ele lhes desse nomes. Todavia, não se encontrou para o homem alguém que o auxiliasse e lhe correspondesse. (2:15, 18-20). O interessante é que depois, a partir do verso 21, a Bíblia diz que Deus fez a mulher a partir da costela de Adão, já que Deus constatou que não seria bom que Adão estivesse só; Deus lhe faria alguém que o auxiliasse e correspondesse (2:18). Deus fez os animais e viu que não completavam Adão; Deus fez a mulher e viu que lhe era a companhia perfeita! 

Não julgo àqueles que tem se relacionado de modo homo-afetivo; o único juiz é Deus, portanto deixo esta função à Ele. Diante disso, ofereço a estes a verdade da Palavra, a pureza contida nos propósitos de Deus para o casamento do homem. E esta verdade, é que Deus criou a mulher como auxiliadora do homem; como sendo os dois "uma só carne". Deus fez Eva diferente de Adão; permitiu que através de sua intimidade pudessem procriar e assim fazer sua descendência crescer. 

"O casamento deve ser honrado por todos; o leito conjugal, conservado puro; pois Deus julgará os imorais e os adúlteros" (Hebreus 13:4). "Honrado" é o mesmo que venerado, honesto, virtuoso. "Imoral", por sua vez, significa desonesto, escandaloso. Logo, se eu me abster do adultério e da imoralidade, conservarei meu casamento puro, honrado por mim. Um dos significados de puro é "sem mistura"; é algo genuíno, é o meu compromisso exclusivo ao meu esposo(a). E quando a Bíblia fala da honra e da pureza do casamento, Deus se refere a como Ele próprio vê o casamento! Portanto o que é contrário a esta pureza e a esta honra (a imoralidade e o adultério), são avessos à Sua vontade! Totalmente contrários à como Deus enxerga o casamento e para o que lhe constituiu.

"O adultério, a fornicação, o homossexualismo, os desejos impuros e as paixões degradantes são pecados graves aos olhos de Deus por serem transgressões da lei do amor e profanação ao relacionamento conjugal. Tais pecados são severamente condenados nas Escrituras e colocam o culpado fora do Reino de Deus (Rm 1:24-32; 1Co 6:9-10; Gl 5:119-21)." (Estudo "Padrões da Moralidade Sexual", Bíblia de Estudos Pentecostal, Donald C. Stamps).

Poderia ainda escrever outros vários caracteres a respeito da beleza do casamento e da visão de Deus sobre o tema; mas o resumo que quero deixar, é que a verdade bíblica precisa ser posicionada, defendida. Não de modo arrogante, grosseiro, orgulhoso; mas com mansidão e respeito a fim de que o Evangelho não seja escandalizado. Quando o homem vai até Deus, Ele o aceita como está. Assim como nós, antes de nos encontrarmos com Cristo estávamos no pecado, e não tínhamos nossas vestes lavadas no sangue do Cordeiro. Gays não são inferiores à nós. Gays vivem contra os padrões bíblicos, do que Deus espera de um casamento e de uma constituição familiar. Cabe àquele que é cristão; àquele que conhece e pratica a vontade de Deus para um matrimônio, impôr a Palavra e interceder por essas vidas. Discórdia e indignação só vão gerar oposição; a mansidão, não. A mansidão leva ao respeito. Diante disso, meu resumo é: defendo os planos de Deus para o casamento, mas respeito a vida daqueles que tem vivido à mercê do engano. É como dizem: "Amo o pecador, mas rejeito o pecado".

9 de abr de 2013

Estudo | Entendendo a Bíblia (continuação - Era da Criação)


Há quatro grandes eventos dentro da Era da Criação. São:
1.Criação; 2.Queda; 3.Dilúvio; 4.Torre de Babel.

1. Criação: O homem criado à imagem de Deus (Gênesis 1:2)
Depois de uma demonstração dramática de poder ao criar os céus e a Terra, Deus cria o homem. Adão e Eva são criados à imagem de Deus, em perfeita harmonia e parceria com ele. Vivendo em um local idílico no Jardim do Éden, são indivíduos belos e inteligentes. A "imagem" não é aparência física, mas uma proximidade pessoal e espiritual. O homem tem intelecto, emoção e vontade. Possui um senso moral do certo e do errado. É um ser criativo. Essas são algumas características de Deus que são compartilhadas pelo homem e, nesse sentido, o homem é criado à imagem de Deus.

2. Queda: o pecado entrou no mundo (Gênesis 3)
Satã, aparecendo na forma de uma serpente, seduz Adão e Eva a se rebelarem contra Deus e violarem a única proibição que ele havia feito: não comer da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal. Como consequência, eles são expulsos do Jardim do Éden e uma maldição é colocada sobre a Terra. Quando Adão e Eva se rebelam, o pecado entra no mundo. Toda a dor, todo o mal, todo o sofrimento suportado pela humanidade todo o tempo podem ser traçados a partir desse ato, que é, portanto, apropriadamente chamado de "Queda" do homem.

3. Dilúvio: julgamento pelo pecado (Gênesis 6:10)
Nos vários anos seguintes, com o homem se multiplicando em número, da mesma forma se multiplicou sua tendência a pecar, até que chega o momento em que Deus só pode encontrar oito pessoas dispostas a viverem uma relação correta com ele: Noé, sua esposa, seus três filhos e suas esposas. Então, em julgamento pelo pecado, Deus realiza cirurgias na raça humana, cortando o tecido cancerígeno, onde estivesse, e deixando para trás o tecido saudável para se restaurar. Ele faz isso enviando um dilúvio universal que destrói a humanidade, exceto Noé e sua família, que são salvos na arca.

4. Torre: começo das nações (Gênesis 11)
O comando pós dilúvio de Deus para o homem é se espalhar, povoar e subjugar toda a Terra. Em direta desobediência àquele comando, o homem fica em um lugar e começa a construir um monumento para si mesmo, a Torre de Babel. Deus faz com que essa grande congregação de pessoas comece a falar línguas diferentes. A falta de comunicação impede o progresso da Torre e as pessoas com idiomas diferentes se dispersam para os quatro cantos da Terra e formam o começo das nações do mundo como as que conhecemos hoje.

Fonte: Livro 30 Dias para Entender a Bíblia, Max Anders.

No próximo estudo, postarei a respeito da era Patriarcas, – seus principais acontecimentos e linha histórica.

Um ótimo estudo à todos e que Deus os abençoe!

8 de abr de 2013

Qualidades necessárias para ser ativo no Reino de Deus.

"Por isso mesmo, empenhem-se para acrescentar à sua fé a virtude; à virtude o conhecimento; ao conhecimento o domínio próprio; ao domínio próprio a perseverança; à perseverança a piedade; à piedade a fraternidade; e à fraternidade o amor. Porque, se essas qualidades existirem e estiverem crescendo em sua vida, elas impedirão que vocês, no pleno conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo, sejam inoperantes e improdutivos." (2Pedro 1:5-8) (NVI).

Pedro alista as virtudes que o cristão deve desenvolver, a fim de ser espiritualmente vitorioso e frutífero diante de Deus.Quem se torna cristão deve imediatamente envidar todos os esforços possíveis para acrescentar à sua fé as oito qualidades citadas nos versículos 5-8. Note que estas características espirituais não se desenvolvem automaticamente sem nosso esforço diligente de cultivá-las. (Fonte: Bíblia de Estudo Pentecostal, Donald C. Stamps, pág. 1948).

Como vemos, estes versos tratam de características espirituais que devemos adotar, a fim de que nos impeçam de sermos inoperantes e improdutivos (2Pe 1:8) no Reino de Deus. 
Segundo a tradução Almeida Revista e Corrigida, o verso 8 diz: "Porque, se em vós houver e aumentarem estas coisas, não vos deixarão ociosos nem estéreis no conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo." (2Pe 1:8).

Estéril pode ser definido como aquilo que não pode produzir; ocioso, como aquilo que não trabalha, é inútil. Tratando-se das coisas de Deus, nenhuma das definições é plausível. A vida cristã não tem efeito, nem significado, se não for para glorificar a Deus. Logo, se somos improdutivos, ociosos e estéreis na obra, do que vale nossa conversão? O novo nascimento é também um abandono aos impulsos egoístas, aos próprios interesses; nascer de novo é amar e edificar o próximo, e acima de tudo glorificar a Deus!

Versos como estes, não podem passar despercebidos aos olhos! Deus nos entrega a chave para estarmos ativos na obra. Deixa-nos os "requisitos espirituais" que consolidam nossa utilidade no Reino, nossa participação tão cabível.

A nota de Donald Stamps nos lembra de desenvolvermos tais características a partir de nossos esforços diligentes. Mas para desenvolvê-las, antes de tudo, precisamos conhecê-las! Preparei algumas definições à luz da Palavra de Deus e de outras fontes:

1. Fé: "É a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos." (Hebreus 11:1);
2. Virtude: É a disposição de um indivíduo de praticar o bem; e não é apenas uma característica, trata-se de uma verdadeira inclinação. Virtudes são todos os hábitos constantes que levam o homem para o caminho do bem (significados);
3. Conhecimento: A Bíblia diz: "Conheçamos o Senhor; esforcemo-nos por conhecê-lo." (Os 6:3); Paulo escreveu sobre o conhecimento da Palavra à Timóteo: "Procure apresentar-se a Deus aprovado, como obreiro que não tem do que se envergonhar, que maneja corretamente a palavra da verdade" (2Tm 2:15);
4. Domínio próprio (ou temperança): 1. Hábito de moderar os apetites sensuais, os desejos, as paixões; 2. Sobriedade no comer e no beber; 3. Comedimento, moderação. (Dicionário Priberam). Entendo como a capacidade de dominar os próprios sentimentos, pensamentos e atitudes; é também um fruto do Espírito Santo (Gl 5:22);
5. Perseverança: Constância, firmeza, pertinácia. (Dicionário Priberam);
6. Piedade: "Levai as cargas uns dos outros, e assim cumprireis a Lei de Cristo." (Gl 6:2). Pode ser entendido como "carregar a dor do outro, importar-se com o próximo;
7. Fraternidade: A fraternidade é o amor e a união ao próximo. "Seja constante o amor fraternal. Não se esqueçam da hospitalidade..." (Hb 113:1-2);
8. Amor: "O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta." (1Co 13:4-7).

Tendo o conhecimento de tais características espirituais, cabe a nós resgatá-las a fim de que possamos ser ativos e úteis na obra de Deus! Isso não cabe apenas ao que se refere à ministérios em igreja, cargos de liderança, etc; todos nós podemos fazer discípulos de Cristo e levar a luz da Palavra, onde quer que estejamos!
Que Deus venha nos ajudar a buscar e reter cada uma dessas coisas, a fim de estarmos com o coração cheio do que Ele espera de nós, e multiplicando a semente imperecível que nos foi plantada! Em Nome de Jesus, Amém!

7 de abr de 2013

Dica de filme | Casados para sempre


Hoje venho com uma dica de filme: Casados para sempre.
Minha opinião pessoal: Os atores são bons, o roteiro é interessante, e a mensagem que o filme deixa, é de que através de Deus os relacionamentos são estreitados e sustentados. Talvez o foco poderia ter sido ainda mais em cima dos ensinamentos bíblicos, das experiências dos personagens com Deus; mas podemos perceber lições  importantes, como: "o esposo deve amar sua esposa como Cristo ama a igreja" e "a esposa deve servir o esposo como sua auxiliadora".
Achei interessante ter sido levantado o fato de as vezes ao surgir um conflito, haver uma resistência de quem irá ceder; quem irá lutar pela salvação do casamento. À todo modo, vale à pena assistir o filme. Nos leva a refletir se estamos cumprindo nossos papeis como a Bíblia nos adverte, e se nosso casamento tem vivido à luz de Cristo, como sendo o foco. Aliás, esta é a mensagem mais bonita do filme: para você estar próximo do seu cônjuge, vocês precisam estar próximos de Deus!

Sinopse do filme: Três casais, desiludidos com o rumo de seus casamentos, decidem participar de um encontro de casais em um resort em um lugar paradisíaco nas montanhas. Enquanto as mulheres acham que podem provocar uma mudança radical em seus companheiros, os homens estão à procura apenas de um pouco de diversão. No entanto, ao chegar lá, seus anfitriões, Dr. Sullivan  e sua esposa Katrina, desafiaarão cada um deles a enfrentar os dilemas pessoais para curar os problemas conjugais, utilizando alguns métodos não muito convencionais, porém eficazmente fundamentados em princípios bíblicos. Com isso, as máscaras começam a cair, e os casais iniciam uma luta emocional, medindo forças para saber a quem culpar pelo fracasso em seus relacionamentos. Quando tudo parece perdido, o verdadeiro amor lhes é revelado, e eles descobrem que a solução para salvar o casamento não é necessariamente o que, mas quem. Diante disso, esses casais precisarão recomeçar suas histórias, trilhando o caminho de volta para Aquele a quem verdadeiramente amam. (Fonte: cinecristao).

Fonte trailer: marcospontal

Diante das provações.

Fonte imagem: todoamorquehouver-neto

Mais uma vez, sinto no coração de escrever sobre provações. Acredito que por estar vivendo uma neste momento, talvez eu esteja mais sensível à condição daqueles que também tem sofrido, e com isso possa transmitir palavras que edifiquem e confortem.

Hoje, pela manhã, mais uma vez estive lendo um dos livros que mais gosto na Bíblia, que é 1Pedro. Acho incrível a sabedoria e a riqueza que encontramos nas palavras do apóstolo Pedro, tratando de temas tão profundos e significantes, que tornam especialmente real o verso que diz: "Pois a Palavra de Deus é viva e eficaz, e mais afiada que qualquer espada de dois gumes; ela penetra ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas,e julga os pensamentos e intenções do coração" (Hebreus 4:12). 

Dois versos, em especial, me chamaram muito a atenção: "Nisso vocês exultam, ainda que agora, por um pouco de tempo, devam ser entristecidos por todo tipo de provação. Assim acontece para que fique comprovado que a fé que vocês tem, muito mais valiosa do que o ouro que perece, mesmo que refinado pelo fogo, é genuína e resultará em louvor, glória e honra, quando Jesus Cristo for revelado." (1 Pedro 1:6-7). 
Escrevi esta semana ainda, a respeito de tentações e provações aqui no blog (clique aqui). Mas hoje quero focar no tema provações
Gostaria de levantar pontos importantes sobre estes dois versos acima: Perceba: "...ainda que agora, por um pouco de tempo, devam ser entristecidos por todo tipo de provação." No verso anterior, Pedro fala a respeito da salvação, de uma herança guardada nos céus por meio da ressurreição de Cristo. Comparando esta eternidade citada nos versos anteriores, com "o pouco de tempo" que é nossa vida terrena, percebemos o contraste entre uma vida terrena finita, repleta de provações sim, mas também repleta de uma viva esperança; e do outro lado, percebemos uma vida eterna, com um grande peso de glória, a participação na glória do Deus vivo! Nenhuma prova é superior à isto! "Porque a nossa leve e momentânea tribulação, produz para nós um peso eterno de glória mui excelente." (2 Coríntios 4:17).
O verso 7 ainda diz: "Assim acontece para que fique comprovado que a fé que vocês tem, (...) é genuína e resultará em louvor, glória e honra quando Jesus Cristo for revelado." Mais uma vez entendemos que as provas resultam em glória. A Bíblia diz que nas provações nossa fé é testada por Deus, e este verso mostra que será comprovado que nossa fé é genuína! Deus está sempre aperfeiçoando o caráter de seus servos. Deste modo, nossa fé é tratada, colocada à prova, já que é por meio dela que viveremos: "Mas o meu justo viverá pela fé. E se retroceder, não me agradarei dele." (Hebreus 10:38). 

Postei nesta semana, mas escrevo mais uma vez a definição de Tiago às provações: "Meus irmãos, considerem motivo de grande alegria o fato de passarem por diversas provações, pois vocês sabem que a prova da sua fé produz perseverança. E a perseverança deve ter ação completa, a fim de que vocês sejam maduros e íntegros, sem lhes faltar coisa alguma." (Tiago 1:1-4). Resultado da aprovação: Perseverança, maturidade, integridade; e ainda: "sem lhes faltar coisa alguma". A provação, de fato, gera um caráter aprovado por Deus.

"Feliz é o homem que persevera na provação, porque depois de aprovado receberá a coroa da vida, que Deus prometeu aos que o amam." (Tiago 1:12).
Lembre-se de que na terra, tudo é passageiro, não dura para sempre. Da mesma forma, nossas tristezas possuem um findar, um ponto final. Deus nos promete a coroa da vida, uma eternidade juntos dEle. Todas as provas que enfrentamos, na verdade vem para contribuir! Frutos de maturidade espiritual, integridade, uma fé comprovada! Se pararmos para pensar, ser provado acaba sendo um privilégio.
Perceba que os grandes apóstolos, como Paulo, já não se abatiam por nada! Não importando a situação, persistiam. O foco deles era converter vidas à Jesus. Paulo nos advertiu: "Nunca lhes falte o zelo, sejam fervorosos no espírito, sirvam ao Senhor. Alegrem-se na esperança, sejam pacientes na tribulação, perseverem na oração." (Romanos 12:11-12), e Paulo sabia do que falava! Foi açoitado, preso, perseguido, e apedrejado por causa de Cristo, entre tantas outras coisas! Não digo que é fácil estarmos alegres, enquanto vivemos situações difíceis! Mas para isso, temos a oração. Temos a persistência na oração! Devemos orar para que seja gerado em nós, esta alegria e esta paciência que a Bíblia trata, porque Deus nos prova enquanto estamos aqui; e é imprescindível sermos aprovados nesse processo! A coroa da vida nos espera... esse é o motivo!

Minha oração é que Deus sustente a mim, e a todos os Seus filhos diante das tribulações. E que sejamos dignos de gerar frutos de glória depois de termos sido aprovados por Deus Pai! Em Nome de Jesus, Amém!

6 de abr de 2013

Versículo do dia


"Foge também das paixões da mocidade, e segue a justiça, a fé, o amor, a paz, com os que, de coração puro, invocam o Senhor." (2 Timóteo 2:22).

5 de abr de 2013

Estudo | Entendendo a Bíblia

Muitas pessoas possuem dúvidas quanto à forma que devem ler a Bíblia. De Gênesis ao Apocalipse (sistematicamente) é o modo mais apropriado, já que assim cria-se uma noção de começo, meio e fim. Estou iniciando uma nova categoria de estudos, que acredito poder auxiliá-lo em sua leitura.
Recomendo a leitura do livro 30 dias para entender a Bíblia, de Max Anders. O autor explica a Bíblia separando-a em acontecimentos, que tornam a compreensão mais clara. A Bíblia tem caráter espiritual antes de tudo, mas não podemos esquecer de que ela se trata também de pura história. Diante disso, aprovo a didática do autor em fazer estas "separações", estes ícones; porque assim facilita o processo de memorização das principais eras, figuras, localizações e acontecimentos (no qual descreverei mais tarde).

Os três tipos de livros no Velho Testamento:

HISTÓRICOS
POÉTICOS
PROFÉTICOS
Gênesis
Isaías
Êxodo
Salmos
Jeremias
Levítico
Provérbios
Lamentações
Números
Eclesiastes
Ezequiel
Deuteronômio
Cantares
Daniel
Josué

Oseias
Juízes

Joel
Rute

Amós
1Samuel

Obadias
2Samuel

Jonas
1Reis

Miqueias
2Reis

Naum
1Crônicas

Habacuque
2Crônicas

Sofonias
Esdras

Ageu
Neemias

Zacarias
Ester

Malaquias

Se você quer ler a história da nação hebreia no Velho Testamento, deve ler os primeiros dezessete livros. Eles compõem uma linha do tempo histórica para a nação de Israel (Livros Históricos).
Se quer ler a poesia da Israel, deve ler os próximos cinco livros do Velho Testamento (Livros Poéticos).
Se quer ler sobre as profecias de Israel, deve ler os últimos dezessete livros (Livros Proféticos).

Isso é um pouco simplificado, porque há alguma poesia nos Livros Históricos e alguma história nos Livros Proféticos, e assim por diante.

*Considerando o "desmonte" da Bíblia que o autor fez, transcrevi as principais eras e suas características, para uma melhor compreensão do Antigo Testamento.

ERA
FIGURA
LOCALIZAÇÃO
DESCRIÇÃO
CRIAÇÃO
ADÃO (O primeiro homem)
ÉDEN
O jardim do Éden, onde Adão é criado. Perto da convergência dos rios Tigre e Eufrates.
PATRIARCAS
ABRAÃO (O primeiro patriarca)
CANAÃ
Abraão migra de Ur, perto do Éden, para Canaã, onde ele e os outros patriarcas vivem até a época da escravidão no Egito.
ÊXODO
MOISÉS (O líder do êxodo)
EGITO
Durante uma severa fome, os israelitas migram para o Egito e são escravizados  por 400 anos antes do êxodo para a liberdade.
CONQUISTA
JOSUÉ (O líder do exército de Israel)
CANAÃ
Josué lidera a conquista da Terra Prometida em Canaã.
JUÍZES
SANSÃO (O mais famoso juiz)
CANAÃ
Os israelitas vivem em Canaã sob um sistema tribal pouco centralizado, dirigido por Juízes, durante os próximos 400 anos.
REINO
DAVI (O mais conhecido rei israelita)
ISRAEL
Com a formação de uma monarquia formal, a terra agora é chamada pelo nome nacional de Israel.
EXÍLIO
DANIEL (O maior profeta do exílio)
BABILÔNIA
Por causa do julgamento por corrupção moral nacional, Israel é conquistado por nações estrangeiras, finalmente forçando seus líderes a setenta anos de exílio na Babilônia.
RETORNO
ESDRAS (O líder central do retorno)
JERUSALÉM
Os israelitas exilados ganham a permissão de voltar a Jerusalém para reconstruir a cidade e o templo, mesmo permanecendo sob o domínio da Pérsia.
SILÊNCIO
FARISEUS (Os líderes religiosos)
JERUSALÉM
Apesar de o domínio da terra mudar da Pérsia para a Grécia e Roma, Israel tem a permissão de “adorar” em Jerusalém sem problemas durante os próximos 400 anos de “silêncio”.

Fonte: Livro 30 dias para entender a Bíblia, Max Anders.

Na próxima postagem de estudos, falarei à respeito da era Criação, –  seus principais acontecimentos e linha histórica. Espero que aprovem a nova categoria, e bom estudo!